Campanha contra a dengue no AABB Comunidade

Durante os meses de abril e maio, os educadores e a garotada do AABB Comunidade Rancharia (SP) realizaram trabalhos de prevenção a dengue. Textos, gibis, peças teatrais foram as atividades propostas para a campanha contra a doença. “Resolvemos nos prevenir porque nossa cidade vem sofrendo um surto do mosquito Aedes aegypti”, explica a coordenadora, Soraya El Garibe.

 

O grande desempenho dos educandos, na realização das atividades contra a doença, incentivou a coordenação do Programa a colocar em prática a campanha. Os educadores montaram uma peça teatral para orientar sobre como prevenir a proliferação do mosquito e apresentaram à comunidade de Rancharia.

 

A criançada, não satisfeita, resolveu conscientizar toda vizinhança ao redor da AABB, munidos de cartazes, panfletos e gibis (confeccionados por eles). Eles alertaram a população do perigo que pode estar tanto em suas casas, como nas dos vizinhos. Em campanha, os educandos foram até uma oficina para alertar o que os proprietários e funcionários devem fazer para conter a água que entra nos pneus. “Afinal, onde há água parada, pode ter o mosquito da dengue”, comenta a coordenadora.

 

A caminhada seguiu-se a muitas casas da cidade. “Paramos várias pessoas nas ruas, orientamos sobre quais cuidados devemos tomar para evitar a doença”, afirma a educadora Helen Carla. “Na casa do senhor Marcilio, por exemplo, ao entrarmos, ele nos mostrou seu quintal, suas plantas e ficou emocionado em ver nossos educandos, que apesar de tão novos, já estão empenhados na campanha contra a dengue”, finaliza a educadora do Programa.

 

Ao final de toda a caminhada, coordenação e educandos debateram sobre os pontos positivos e negativos da campanha.

 

Sobre a Dengue

 

A dengue é uma doença infecciosa febril aguda, causada por um vírus da família Flaviridae e é transmitida através do mosquito Aedes aegypti, também infectado pelo vírus. Atualmente, a dengue é considerada um dos principais problemas de saúde pública de todo o mundo.

 

Tipos de Dengue

Em todo o mundo, existem quatro tipos de dengue, já que o vírus causador da doença possui quatro sorotipos: 1, 2, 3 e 4. No Brasil, já foram encontrados da dengue tipo 1, 2 e 3. A dengue de tipo 4 foi identificada apenas na Costa Rica.

 

Formas de apresentação

A dengue pode se apresentar – clinicamente – de quatro formas diferentes: Infecção Inaparente, Dengue Clássica, Febre Hemorrágica da Dengue e Síndrome de Choque da Dengue. Dentre eles, destacam-se a Dengue Clássica e a Febre Hemorrágica da Dengue.

 

– Infecção Inaparente

A pessoa está infectada pelo vírus, mas não apresenta nenhum sintoma. A grande maioria das infecções da dengue não apresenta sintomas. Acredita-se que de cada dez pessoas infectadas apenas uma ou duas ficam doentes.

 

– Dengue Clássica

A Dengue Clássica é uma forma mais leve da doença e semelhante à gripe. Geralmente, inicia de uma hora para outra e dura entre 5 a 7 dias. A pessoa infectada tem febre alta (39° a 40°C), dores de cabeça, cansaço, dor muscular e nas articulações, indisposição, enjôos, vômitos, manchas vermelhas na pele, dor abdominal (principalmente em crianças), entre outros sintomas.

 

Os sintomas da Dengue Clássica duram até uma semana. Após este período, a pessoa pode continuar sentindo cansaço e indisposição.

 

– Dengue Hemorrágica

A Dengue Hemorrágica é uma doença grave e se caracteriza por alterações da coagulação sanguínea da pessoa infectada. Inicialmente se assemelha a Dengue Clássica, mas, após o terceiro ou quarto dia de evolução da doença surgem hemorragias em virtude do sangramento de pequenos vasos na pelo e nos órgãos internos. A Dengue Hemorrágica pode provocar hemorragias nasais, gengivais, urinárias, gastrointestinais ou uterinas.

 

Na Dengue Hemorrágica, assim que os sintomas de febre acabam a pressão arterial do doente cai, o que pode gerar tontura, queda e choque. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte.

 

– Síndrome de Choque da Dengue

Esta é a mais séria apresentação da dengue e se caracteriza por uma grande queda ou ausência de pressão arterial. A pessoa acometida pela doença apresenta um pulso quase imperceptível, inquietação, palidez e perda de consciência. Neste tipo de apresentação da doença, há registros de várias complicações, como alterações neurológicas, problemas cardiorrespiratórios, insuficiência hepática, hemorragia digestiva e derrame pleural.

 

Entre as principais manifestações neurológicas, destacam-se: delírio, sonolência, depressão, coma, irritabilidade extrema, psicose, demência, amnésia, paralisias e sinais de meningite. Se a doença não for tratada com rapidez, pode levar à morte.

 

Fonte: www.drauziovarella.ig.com.br

Compartilhe:

Deixe uma resposta

Social media & sharing icons powered by UltimatelySocial
Facebook
Facebook

Desenvolvido por Craque Comunicação